Rapcore e debate político ao som dos Oficina do Diabo.

Na situação política em que nos encontramos no Brasil hoje, nada melhor do que o debate político e social. A música é um veículo poderoso para tal.

Tanto o Rap quanto o Hardcore/Punk sempre estiveram na frente destes debates, sendo o combustível para a criação tanto estética, quanto para a construção de suas letras. Das mazelas sociais as ideologias políticas, passando pela violência e os dogmas religiosos, estas questões estão sempre conflitando na sociedade e precisam ser debatidas.

E quando os dois gêneros se encontram? É ai que surge o quarteto mineiro Oficina do Diabo. Rapcore cheio de energia e letras que tratam da situação atual do nosso Brasil.

Essa fusão entre o rap, rock ou metal já é algo antigo, porém, tão pouco se ouve falar. Se pensarmos que os primeiros discos dos Faith no More e Red Hot Chilli Peppers já usavam essa fusão, e estas são bandas que tiveram uma boa recurpessão com o grande público. Mais recentemente os Rage Agaist the Machine ou mesmo a onda do nu metal que também se vale de influências de Rap, mas que no meio do rock não é tratado como tal, ficando uma coisa meio subentendida. Pelo menos eu tenho essa sensação.

Talvez ainda se tenha receio desta relação entre muitos da cena rock/metal, mas nós da Extravaganza acreditamos que o diálogo entre gêneros é algo interessante e o radicalismo a cada dia vêm caindo por terra. O que importa é que a proposta musical seja boa e cabe a cada um optar por ouvir ou não.

Essa é uma caracteristica marcante da sonoridade da banda, tem como cerne de sua criação o rap e harcore, mas flerta com outros gêneros. É perceptivel alguma influências de outras bandas. Tratam os temas no ambito da discussão consciente, sem cair na tentação da venda fácil, tratando os temas de forma simplista e apelando para a baixaria.

“Incitando Ódio e Violência” é o primeiro trabalho oficialmente lançado pela Oficina do Diabo. Composto por três músicas que combinam bem o hardcore, metal e o rap. Tem umas bases de guitarra bem legais e os vocais fundem-se bem no instrumental. O destaque para mim fica por conta da música “Ateu”, tem um feeling interessante, uma coisa meio funkeada, groove. Na música seguinte “Afrobrasileiro” marca presença o baixo de Felipe Augusto,  trabalho bem executado pelo mesmo. E as letras, essas eu vou deixar para vocês ouvirem, vou deixar todos os links, acessem e apoiem a banda.

Para quem curte essa pegada, rap ou hardcore, fica ai a nossa dica. Banda daqui de Belo Horizonte, de grande potêncial no cenário nacional. Vale a pena conhecer, até mesmo por ser um gênero que vemos muito pouco sendo falado e divulgado.

Se increva, curta e acompanhe os caras pela internet, para saber mais e fica sabendo das novidades e lançamentos.

Oficina do Diabo - Vertical - Marlon Ossiliere

Página no Facebook
Soundcloud

 Um texto de Igor C. Bersan

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s