Lovelace

Em 1972 um filme revolucionaria a industria dos filmes pornográficos americano, o nome do filme é Garganta Profunda (Deep Throat). Dirigido por Gerard Damiano. Com a insólita narrativa de uma garota que nasceu com um defeito e que ao procurar um médico descobre que possui o clitoris na garganta.

É preciso compreender que na época em que o filme foi lançado, determinadas modalidades de sexo oral ou mesmo o sexo anal, ainda eram muito pouco vistos na industria pornográfica e a narrativa por mais bizarra que seja, foi construída para justificar as cenas. Agora fora da industria pornô não posso afirmar. (risos)

Recentemente em meio a um rebuliço desnecessário, mas infelizmente em tempos de um politicamente correto excessivo, foi lançado o filme “Lovelace”, referente ao nome da atriz que interpreta a personagem com o clitoris na garganta do filme de 1972, Linda Lovelace. O filme passou por processos de tentativa de proibição de sua exibição e todo aquele falso moralismo que os americanos adoram.

A primeira coisa interessante do filme é o design de produção, muito bem feito a reprodução da época, figurino, as locações, os carros e a caracterização dos personagens.

A segunda coisa são as atuações, que contam com Amanda Seyfried (Linda Lovelace), Peter Sarsgaard (Chuck), Adam Brody (Harry Reems), além de Sharon Stone como a mãe de Linda, Robert Patrick como o pai, June Temple como uma amiga e James Franco como Hugh Hefner (para quem não sabe, dono da Playboy). Todos os atores estão muito bem nos papeis, com representações seguras e que realmente convencem nos papeis. Adam Brody, consegue emular perfeitamente os trejeitos do doutor Harry Reems do Garganta Profunda, soando totalmente caricato. Perter Sarsgaard convence como o marido que vai do amoroso ao violento e descontrolado, Amanda Seyfried segura bem a inexpressividade da Linda original como atriz.

É interessante a forma como o filme é montado, dividindo bem a vida da personagem, de um momento onde tudo parecia perfeito para em seguida apresentar uma vida em total caos. E é exatamente isso que o filme quer nos mostrar, a vida de Linda Lovelace.

Quando eu vi o filme original, uma coisa que me chamou a atenção durante toda a projeção. Precisamente a expressão de total desinteresse e descaso que a atriz (Lovelace) passa nas filmagens, na época não fazia ideia do que pudesse ser, acreditei ser realmente que fosse por incapacidade de atuação, porém, recentemente ao ver o filme “Lovelace”, compreendi esse enigma de anos.

Linda Lovelace passou maus bocados com o seu marido Chuck, um viciado em drogas, que a agredia, que a vendia como prostituta e que a agenciava em seus filmes, além de controlar o seu dinheiro, ou seja, ela dava duro (obviamente aqui no mal sentido, risos) e ele curtia com a grana.

Sem me delongar muito, Lovelace é um filme interessante, bem construído em termos de roteiro e direção, comovente e divertido, além de homenagear um filme que é considerado um clássico absoluto da cinematografia pornográfica. (risos)

O filme é de 2013 e foi dirigido por Rob Epstein e Jeffrey Friedman.

Detalhe que hoje Linda Lovelace é uma ativista contra o abuso as mulheres tanto na industria pornô como fora dela e com razão diga-se de passagem.

Muitos devem estar se perguntando se é um filme com cenas de sexo ou ofensivo. Não, não é. O filme tem lógico a insinuação mas é centrado mais na vida pessoal da atriz, todos podem assistir tranquilos, homem ou mulher.

Igor Couto Bersan

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s